ArtRio

Mostra 'Cíclico' de Ruan D'Ornellas na C. Galeria

Na sua pesquisa para esta exposição, Ruan D'Ornellas debruçou-se sobre a História da Beleza e a História da Feiura do escritor, filósofo, semiólogo, linguista e bibliófilo Umberto Eco. Deparou-se com a conclusão do autor de que “o que é belo ou feio é relativo aos olhos de quem os vê”.

Em' Natureza morta em decomposição e Inevitável' D’Ornellas ensaia o que, aparentemente, seriam soluções para parâmetros da beleza e da feiura. Uma saída tão incerta para o espectador quanto o nosso estar no mundo. Em vez de respostas prontas, o artista, na sua fala pictórica, prefere tensionar os limites dicotômicos, ampliando as possibilidades.

A distensãodo real é uma das especialidades de D'Ornellas. Por isso, sua investigação passa pelas cartas do tarot. Não, mais uma vez, em busca de respostas circunscritas, mas para passear com as incertezas por seu apreço pelo transitório, borrando e desfazendo limites. Em Cíclico, o artista revela três cartas simbolicamente representadas pelo desenho Início meio fim, meio início meio fim– nele a junção das cartas de arcanos maiores: o Sol, a Lua e a Morte.

O Sol –o brilho, a glória e o sucesso – está associada à estrela do sistema solar, fonte de luz, como figura totêmica de calor e de vida; a Lua – os mistérios, a intuição, a noite, as sombras – é a pura essência feminina; e a morte, que nada mais é do que o fim, a transformação, e, portanto a renovação. Uma triangulação quase resolutiva aos males físicos e morais, como quando os alquimistas extasiavam aqueles que buscavam compreender a obra alquímica, iludindo e atemorizando a alma humana em busca de respostas para o elixir da vida e pelo ouro.

Na sua transliteração simbólica,Ruan D'Ornellas submete os símbolos para se apropriar das suas dicotomias. É então neste momento que se aproxima dos polos (Yin Yang), onde o movimento se torna o mesmo, porém, com um deslocamento menor. Quer nos dizer que somos dependentes da transitoriedade.

A exposição individual reúne 16 obras inéditas, sendo nove pinturas, além de desenhos e esculturas.

Abertura dia 19 de Outubro de 2017.
Das 18h às 21h.
C.galeria – Rua Visconde de Pirajá, 580/102ss, Ipanema, Rio de Janeiro.
Visitação de 3ª a 6ª feira das 11h às 19h até dia 24/11.